Luján de Cuyo

De Mendoza seguimos para Luján de Cuyo uma pequena cidade cerca de 20km de Mendoza que já nos apresentaria as primeiras “gratas surpresas” dessa viagem.

O pequeno centro de Luján de Cuyo permite uma caminhada tranquila por seus arredores e traz algumas opções de café, restaurantes e bares. Infelizmente não posso oferecer nenhuma dica, pois apenas passeamos pelo local.

Iniciamos aqui as primeiras visitas às vinícolas de Mendoza. Porém, antes de mencionar as bodegas visitadas, tenho que fazer dois registros especiais:

Finca Adalgisa – http://www.fincaadalgisa.com/

Hotel em Luján de Cuyo – Finca Adalgisa  – que na verdade já fazia uma conexão com vinhos.

Finca Adalgisa é um hotel boutique constituído numa bela residência agradavelmente decorada, e que também é a moradia da proprietária. Um local que, apesar de ser classificado como hotel te faz se sentir em casa. Mas não uma casa qualquer, uma casa tomada por referências artísticas e um hectare de vinhedo com uvas Malbec utilizadas para fazer as exclusivas 5.000 garrafas do vinho na própria Finca e que leva o nome do local.

O vinho, a propósito, merece uma atenção especial (veja meu comentário no Vivino – https://www.vivino.com/users/ricardo_brandao).

Na Finca ainda se tem a oportunidade de desfrutar um “happy hour – jantar” com opções que vão de uma tábua de queijos a um belo assado Argentino. E tudo isso regado a um bom vinho, claro!

Fica aqui meu registro… Se procuras um excelente hotel boutique em Mendoza, aqui tens a primeira referência.

Pasrai – http://www.pasrai.com.ar/#!/-bienvenido/

A Pasrai é uma olivícola boutique na qual se conhece um pouco do processo produtivo, se degusta também excelentes azeites e se começa a conhecer a relação entre vinhos e azeites que há em Mendoza.

Falando das vinícolas propriamente nessa viagem visitamos uma diversidade bem interessante: de pequenas a grandes adegas, de tradicionais a moderníssimas instalações… E todas com vinhos excelentes  (aproveitando agradeço ao Antonio Márcio e ao Felipe Mandarino por algumas dessas dicas).

Mendel Wines – http://www.mendel.com.ar/

Roberto de La Mota

Após a visita à olivícola Pasrai, essa foi a nossa primeira vinícola. Uma pequena instalação, que é projeto pessoal do enólogo Roberto de la Mota que já foi enólogo da Chandon. Com uma produção anual de cerca de 100 mil garrafas traz alguns diferenciais que merecem destaque:

  • Na entrada nos deparamos com vinhedos que datam de 1928… diz o ditado que “vinho quanto mais velho…” pois bem isso já é um indício do que teríamos pela frente a degustar.
  • A produção é toda manual e traz detalhes que mostram o carinho, o cuidado e a atenção aos seus vinhos. Para citar alguns:
    • são 8 funcionárias que trabalham tanto na parte de controle de qualidade, produção e seleção das uvas, bem como as mesmas que rotulam as garrafas com o mesmo rigor e excelência.
    • A sala de degustação é extremamente agradável com iluminação natural proporcionada por duas janelas que nos mostram as plantações (uma delas original da época da construção do local) e com um acabamento rústico que só reforça os elementos diferenciados dessa vinícola.
    • E não poderia deixar de citar a nossa guia, Silvina, que com uma didática exemplar, simpatia sem igual e receptividade de tirar o chapéu nos recebeu muito bem. Nos explicou desde detalhes das folhas dos diferentes tipos de uva, das mesclas das raízes, passando por todo processo de produção da Mendel e fechou com uma degustação nota 10.

Aqui tivemos contato, pela primeira vez, com uma uva tipicamente Argentina, chamada Torrontés . Uva de vinho branco surpreendente. Apelidada carinhosamente de  “mentirosa”, o vinho feito à partir dessa uva traz um aroma extremamente frutado e doce, mas na boca revela-se refrescante e seco (onde foi parar o frutado?). Que surpresa agradável!

O grande destaque entre os vinhos da Mendel Wines para nós foi um Gran Reserva La Gran Revancha um blend de Malbec, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Petit Verdot com envelhecimento por 16 meses em barricas de carvalho francês de primeiro e de segundo usos, o que confere tanto um frutado intenso, com toques de baunilha como amadeirado/ defumado na medida do encantamento. Vale a pena conhecer. (para conhecer mais sobre a linha La Gran Revancha, acesse http://www.revanchavinos.com/ ).

Silvina – nossa tour guide na Mendel Wines

 

El Enemigo – http://www.enemigowines.com/

O dia estava repleto de sofisticação em vinhos e diferenciações em vinícolas. El Enemigo apresenta uma outra dinâmica de visita, distinta da Mendel Wines, mas tão interessante quanto.

O local é, na verdade, uma mescla entre vinícola, restaurante e museu de arte. Isso mesmo! Por todo trajeto da visita nos deparamos com obras de arte de artistas de Mendoza que são selecionados todos os anos para expor suas obras nessa belíssima vinícola.

Sua arquitetura apresenta um equilíbrio entre modernidade e sofisticação que, sem sombra de dúvidas, cativa a todos.

Aqui foi a primeira, e única até agora, vinícola que apresenta “los huevos” – “ovos” de concreto no qual o vinho descansa em uma de suas etapas de produção.

El Enemigo nasce da união entre Adrianna Catena e Alejandro Vigil (que é chief Winemaker da bodega Catena Zapata e estudioso sobre solos de onde vem parte do segredo dos vinhos da vinícola).

Foi aqui que almoçamos nesse dia, e falando sobre o restaurante, bem esse é um tema à parte. O cardápio foi espetacular!!!

Nosso menu foi:

  • empanada de carne
  • pão feito com vinho… divino
  • provoleta… algo surreal
  • truta grelhada
  • crocante de coco com pera ao chadornnay e doce de leite… esse nem precisa comentar, não é?

E para fechar esse cardápio incrível, degustamos os vinhos da linha Gran Enemigo.

 

__________

From Mendoza we went to Luján de Cuyo, a small town about 20km from Mendoza and there we would have our first “surprises” in this trip.

You can stroll around Luján de Cuyo city centre where you have a few options of cafe, restaurants and bars. Unfortunately I can´t offer any suggestion about any place, as we´ve just walked around it.

Here we started our first visit to wineries. But, before mentioning about the wines, I have to make two special comments:

Finca Adalgisa (http://www.fincaadalgisa.com/)

Finca Adalgisa is a boutique hotel established in beautiful house, pleasantly decorated which is also the house of the owner. A place which is classified as hotel, nevertheless you feel yourself at home – a special home, by the way, as the house is full of arts and one hectare of Malbec grapes used to produce the limited 5,000 bottles of the wine named Finca Adalgisa, of course.

The wine, by the way, deserves a special attention (please take a look at my comment on Vivino – https://www.vivino.com/users/ricardo_brandao).

At Finca Adalgisa we also have the opportunity to enjoy the “happy hour / dinner” with options varying from cheese to Argentinian barbecue. All tasted with a good wine for sure!

If you are looking for an excellent boutique hotel in that region, here you have the first option.

Pasrai (http://www.pasrai.com.ar/#!/-bienvenido/

Pasrai is a boutique olive grove where the visitor may know a little about the production process, starts to understand the connection between olive oil and wine in Mendoza and can a have a tasteful experience inside the olive oil world and its variety of flavours.

Speaking about wine we had the chance to visit a diversity of wineries: from small ones to big ones, from traditional to modern facilities. In all of them we could taste spectacular wines (and by the way I want to thank Antonio Marcio and Felipe Mandarino for the suggestions).

Mendel Wines – http://www.mendel.com.ar/

Roberto de La Mota

After leaving Pasrai, there we went to our first winery. This is a small facility winery, a personal project of Roberto de La Mota who has already been winemaker of Chandon.

With a production of 100,000 bottles a year, Mendel Wines offers some differentiation which deserves mentioning:

 

  • At the entrance we see a sign in front of a grapevine dating 1928, as the saying states “the older the wine… the better”, so this a hint of what we were about to taste.
  • The production is manual and they emphasise all the care and attention on their wines:
    • there are 8 women working on the production, quality control, vine selection and labelling the bottles with such excellence.
    • the tasting room is extremely pleasant with natural lighting offered by two windows through we can see the plantation (one of them is original in the house) and presenting some rustic details accentuating the differentiation of this winery.
    • and the last but definitely not least, Silvina the tour guide, who offered us a special tour and tasting in a sympathetic and warming way that I must take my hat off to her.

At Mendel Wines, for the first time, we got to know about a typical grape from Argentina called Torrontés –  a white wine grape. Its nickname is “liar grape” as the wine done with this grape offers such sweet and fruity aroma, however in the mouth it´s dry (making us to ask where is the fruity aroma?). What a nice surprise!

The highlight amongst Mendel wines, for us, was Gran Reserva La Gran Revancha, a blend of Malbec, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc and Petit Verdot, ageing for 16 years in french oak barrel of first and second use, offering an intense fruity aroma, with touch of vanilla and wood at the level of enchantment.

It deserves to know more about La Gran Revancha line. Access  http://www.revanchavinos.com/ ).

Silvina – our tour guide at Mendel Wines

El Enemigo – http://www.enemigowines.com/

The day was full of sophistication and speciality in wines. El Enemigo presented us another type of tour, different from Mendel Wines, but as interesting as the latter.

The place, in fact, is a mix of winery, restaurant and art museum. All around the place we came across with piece of art from artists from Mendoza who are selected every year to exhibit their work in this beautiful place.

Its architecture is well balanced between modern and sophistication captivating everyone´s attention undoubtless.

Here was the first and only winery where we could see the “eggs” of concrete in which the wine rest in one of their phases.

El Enemigo was born due to the partnership of Adrianna Catena and Alejandro Vigil (who is also the chief Winemaker of Catena Zapata and expert in soil).

Here we had lunch at that day, and speaking on the restaurant, well this is another subject. The menu was superb.

Our menu was:

  • meat “empanada”
  • bread done with wine… divine
  • “provoleta”… something amazing
  • trout
  • pear at chaddornay with coconut and milk candy… well this dessert doesn´t need any comment, does it?

And to finish this amazingly delicious menu, we tasted the wines from Gran Enemigo line.

 

 

Copyright © Ricardo Brandao Fotografia
All Rights Reserved / Todos os Direitos Reservados.
Se interessou por alguma foto? Entre em contato.
Interested in any picture? Contact.
Email: ricardobrandaofotografia@gmail.com
Instagram: ricardobrandaofotografia

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *