Robben Island

Robben Island é um daqueles pontos turísticos cujo o impacto no visitante é ambíguo. É um must see da Cidade do Cabo, mas os motivos que nos levam à visitação nos causam reflexão e consternação (assim como ocorre com Auschwitz).

Essa ilha é famosa por ter sido uma “ilha prisão” (como também o foi Alcatraz) desde o século 17, mas destaca-se o período do Apartheid quando Nelson Mandela, entre outros, estiveram ali presos.

A ilha foi inicialmente utilizada pelos colonizadores Holandeses como prisão política para os seus desafetos de suas colonias durante os anos 1600. Por volta de 1840, Robben Island também foi usada como local de colônia para leprosos e, durante a Segunda Guerra Mundial, a ilha contou com alguns canhões para proteção da Cidade do Cabo.

Entretanto, todos esses fatos ficaram “submersos” pela referência mais marcante da ilha que foi transformada em prisão política durante o período do Apartheid na África do Sul, tendo como um dos detentos, Nelson Mandela, que lá ficou por 18 anos (1964-1982).

Nelson Mandela, Kgalema Motlanthe e Jacob Zuma passaram pela prisão de Robben Island e, posteriormente, se tornaram Presidente da África do Sul.

Para se chegar à Robben Island, se utiliza um barco que saí do Watefront (o píer que é mais que um ponto turístico, é um centro de diversas atrações da Cidade do Cabo).

Table Mountain e o estádio de Cape Town – vistos do mar

O percurso é de mais ou menos 40 minutos, mas são “longos” 40 minutos, já que o barco balança muito e o enjoo chega fácil.

A visita começa com um tour pela ilha, mostrando seu lado “residencial” já que há pessoas que moram em Robben Island. Passamos também pelo farol da ilha e chegamos ao ponto de onde se avista a Table Mountain (e que tem até uma “moldura” para aquela típica foto turística). 

Passada essa fase da visita, se adentra na prisão propriamente dita, e o tour na prisão foi feito por um ex-detento de Robben Island, Jama Mbatyoti, que ficou preso por 5 anos e hoje nos oferece suas histórias e o conhecimento de mais um triste momento da história.

Após a visitação, retornamos ao continente e no Waterfront almoçamos no restaurante Den Anker. As cervejas estavam muito boas. Os pratos, eu diria nada de especial, mas foi um ótimo fechamento para essa parte do dia… curtir a vista do Waterfront.

À noite fomos jantar no Reuben´s at One & Only… Excelente!!!

Atendimento fantástico e muito bem humorado do nosso garçon Mussa. Decoração agradável e ótima carta de vinhos e, claro, tivemos aqueles mimos de lua-de-mel (no caso uma garrafa de champagne para brindarmos também o aniversário do Mussa 😉).

O nosso menu foi:
– risoto de beterraba
– filé ao molho Madagascar
– Toffee pudding de sobremesa.

_____________________________________________________________________________



Robben Island is one of that touristic points which offers diverse impact on the visitors. It´s a must see in Cape Town, however the reasons for that demand our reflection and causes sadness (as it happens in Auschwitz).

This island is famous for have been “prison island” (as it happened with Alcatraz) since 17th century, but the most important period was Apartheid when Nelson Mandela among others, were imprisoned there. 

The island was initially used as prison by the Dutch during colonisation period as political prison for their dislikes during 1600´s. Around 1840, Robben Island was also used as leper colony and during the Second World War it was fortified with BL 9.2 inch gun in order to protect Cape Town.

Nevertheless, all these facts succumbed by the island most remarkable reference, when Robben Island became political prison during Apartheid in South Africa, having among their inmates Nelson Mandela who stay imprisoned by 18 years in the island (1964-1982).

By the way, Nelson Mandela, Kgalema Motlanthe and Jacob Zuma were inmates in Robben Island and became President of South Africa.

Waterfront is the departure point to reach Robben Island where we can get a boat.

Table Mountain and Cape Town stadium – from the sea

The tour takes around 40 minutes, but they are “long” 40 minutes as the boat shakes a lot and it causes us seasickness easily.

The visit starts with a tour through the “residential” area of the island as there are people living on it. We passed by the lighthouse, reaching the point from where we can see Table Mountain (and there is even a frame for that typical touristic picture).


After this visit we got into the prison itself and the tour around it was conducted by an ex  Robben Island inmate, Jama Mbatyoti, who stayed imprisoned by 5 years and today he offers his stories and knowledge on another sad moment of human history.

At the end of the tour we returned to the continent and we had our lunch at Waterfront restaurant called Den Anker. The beers were great. The plates, nothing special in fact, however it was a great place to close this day touristic activities and enjoy the view from Waterfront.

At night, our dinner was at Reuben´s at One & OnlySuperb!!! 

Fantastic service offered by the nice and funny waiter called Mussa. Pleasant decoration, great wine menu and, of course, we´ve got some honeymoon gifts (in this case it was a bottle of champagne to toast our wedding and Mussa´s birthday as well 😉).

Our menu was:
– beetroot risotto
– fillet with Madagascar sauce
– toffee pudding as desert.

A liberdade não pode ser aprisionada!

                                                                           JAMA – nosso guia mais que especial / our 


                 JAMA – our special guide 









O lado residencial de Robben Island / the residential side of Robben Island

 O cartão postal da Table Mountain à partir da Robben Island
Post card of Table Mountain from Robben Island


O animado, simpático e aniversariante Mussa – o garçon no Reuben´s at One & Only
Funny, sympathetic and the birthday guy of the day Mussa – the waiter at Reuben´s at One & Only


Copyright © Ricardo Brandao Fotografia
All Rights Reserved / Todos os Direitos Reservados.
Se interessou por alguma foto? Entre em contato.


Contact: ricardobrandaofotografia@gmail.com 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *